Skip to topic | Skip to bottom
Home
Ilanet
Working on page action in claims



  • Página sem formatação (Page without formatting)?
  • Clique (Click) em Visualizar impressão (Print Preview).



Express Persona
Ilanet Ágora
Main Blog

  • Linux Powered

  • Download Mozilla Firefox Browser

  • Use OpenOffice.org

Ilanet.GestaoDoConhecimentor1.34 - 22 Oct 2016 - 14:02 - GregorioIvanoff

Start of topic | Skip to actions

ILAnet

A gestão do conhecimento tem várias origens, nas empresas de consultoria e na academia. Dentre os primeiros autores destacam-se Thomas STEWART (capital intelectual), NONAKA e TAKEUCHI (criação do conhecimento na empresa) e Karl SVEIBY (ativos intangíveis).

Segundo FISCHER (2003, Notas de Aula, Proposta na disciplina EAD-5931 - Gestão do Conhecimento, da Aprendizagem e da Educação Corporativa nas Organizações, FEA USP) gestão do conhecimento é um conjunto de "processos e estruturas que visam estimular as pessoas a criar, buscar, preservar, valorizar e compartilhar novas interpretações sobre a realidade em que trabalham".

Dado um contexto específico, atores e agentes devem previamente estabelecer como querem definir conhecimento e gestão do conhecimento (Reunião de 14 de abril de 2004, GetGC, PUC SP).

Gestão do conhecimento pode ser definida segundo diferentes orientações. Segundo WILLMOTT, H., para muitos, e especialmente os que desenvolvem atividades em tecnologia da informação, trata do armazenamento e recuperação de informações, como por exemplo nas atividades de data warehousing. Para outros, que estão em minoria, gestão de conhecimento trata de descobrir e desenvolver processos organizacionais que valorizam e cultivam um processo dinâmico de aprendizagem que é coletivamente compartilhado e irredutível à informação.

Existem diferentes formas de produção do conhecimento. Segundo SVEIBY (1998, A Nova Riqueza das Organizações), a produção do conhecimento consiste de três estruturas: conversão de conhecimento, química pessoal entre especialistas e clientes e alavancagem operacional.

Existem outras visões. O conhecimento como processo ou produto é trabalhado por PRICHARD et all. (2002, Managing Knowledge). Na visão que nasce na Academia, com ciência de informação e tecnologia é freqüentemente visto como objeto. Na visão que nasce nas empresas de consultoria é visto como processo através da aprendizagem organizacional.

TERRA (2000, Gestão de Conhecimento) aponta a cultura como uma das principais dimensões das boas práticas da gestão do conhecimento.


Gestão de conhecimento de segunda geração


Ana Neves

Agosto, 2003

Mark McElroy é tido como uma das primeiras pessoas a falar sobre gestão de conhecimento de segunda geração. Algumas pessoas concordam com as suas ideias, outras não. Algumas pessoas dizem que o que ele defende é o que a GC sempre devia ter sido. Algumas pessoas dizem que a segunda geração de gestão de conhecimento (SGGC) é uma manobra de marketing. O que eu sei é que foi um prazer ler este livro onde o autor partilha algumas ideias que devemos respeitar, considerar e possivelmente aplicar.

http://www.kmol.online.pt/livros/mce03/mce03_1.html (Não disponível)


http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=%22The+New+Knowledge+management%22+%22Complexity%2C+Learning%2C+and+Sustainable+Innovation%22&btnG=Pesquisar


Organizações que aprendem


A propósito das diversas perspectivas / abordagens à "Gestão do Conhecimento" e "Organizações que aprendem":

"Self-directedness in Workplace", de Baskett, Phil, Dixon e Chuchmuch (escrito para o GIRAT - Group for Interdisciplinary Research on Autonomy and Training).

Aborda a evolução dos conceitos de /self directedness learning/ e /Learning organizations/, e propõe um modelo alternativo (pesquisar em SDL ou GIRAT).

-- GregorioIvanoff - 07 Nov 2003


Linguagem, forma e impacto na comunicação em redes de informação


Analisando o estilo da sociedade digital na qual vivemos, percebemos que o volume de conteúdo e informações em mídia digital vem crescendo rapidamente. Surge então, a necessidade de gerenciarmos melhor nossas informações pessoais e profissionais, para organizarmos nossas atividades do dia a dia.

O objetivo deste trabalho é apresentar um método de recuperação de informações que facilite uma determinada comunidade ou instituição, a organizar e recuperar informações armazenadas digitalmente, associando contextos pessoais, tecnológicos e institucionais, a arquivos digitais, e deste modo, facilitando o usuário a encontrar as informações e arquivos desejados baseados em suas associações mentais.

Assim apresento o método de comunicação RCPTIA Relação de Contextos Pessoais, Tecnológicos e Institucionais, criado na convergência de diferentes conceitos, como as bases biológicas da compreensão humana segunda MATURANA e VARELA, e o pensamento eco-sistêmico de MORAES. Considero também, a gestão de conhecimento nas organizações proposta por NONAKA e TAKEUCHI, VON KROGH, ICHIJO, DAVENPORT e PRUSAK, e SVEIBY, que apresenta os conceitos de contexto capacitante, de interações sociais e pessoais, de relações pessoais emotivas, da criação de confiança, de ambiente favorável, de linguagem comum e de codificação de conhecimento. Além disso, como contribuição da área de comunicação, utilizo os conceitos de linguagem como pensamento e cognição, de linguagem hipermídia, da forma associativa da mente funcionar e da influência digital no pensamento não linear.

Finalmente, o método de comunicação RCPTIA propõe uma taxionomia dinâmica que associa contextos pessoais, contextos institucionais e contextos tecnológicos a todo arquivo digital ou endereço na Internet. Desta forma é característica do método, permitir a cada usuário utilizar seu próprio sistema cognitivo nos indexadores de repositórios de documentos, da mesma forma que ele recupera informações em sua própria mente.


Palavras-chave: SILVA, Alexandre Campos, gestão de conhecimento, contexto, recuperação de informação, busca, cognição, hipermídia, redes.

-- GregorioIvanoff - 26 May 2006


É possível fazer Gestão do Conhecimento sem utilizar Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)?


A resposta é SIM.

Criar, identificar, reter, partilhar, adquirir, desenvolver e utilizar conhecimento são atividades relacionadas às pessoas, aos seres humanos. Portanto, por princípio, não necessariamente necessitam de TIC para serem realizadas.

Claro que quando se tem uma quantidade grande de pessoas ou simplesmente as pessoas estão dispersas geograficamente, então há necessidade de utilizar tecnologia em forma de hardware, software, serviços de telecomunicações e redes.

É importante sempre ter em mente que as TICs podem ser importantes ferramentas (e puramente ferramentas) de suporte para as atividades listadas, mas nem sempre são necessárias e imprescindíveis.

-- FabioCamara - 31 Jan 2004


Conhecimento reconhecido


Na reunião de setembro do GetGC eu entendi, através da posição dos participantes, que o conhecimento existe quando ele é devidamente reconhecido pela coletividade, ou seja o conhecimento é coletivo e quando ele não é trocado ou passado entre e pelas pessoas ele é inútil. O conhecimento tem de ser identificado, compartilhado, reconhecido e aceito. Daí ele vira propriedade pública, passa a ser público e tem maiores chances de que novos conhecimentos sejam criados a partir de sua agregação de valor.

Tudo isso centra nas PESSOAS a responsabilidade de qualquer processo de criação do conhecimento ou de gestão do conhecimento. PESSOAS mesmo! no plural, visto que qualquer indivíduo dentro do coletivo pode ser um agente de conhecimento.

Quando levamos a sério tudo isso e comparamos com a cultura, os valores da maioria das pessoas e extrapolando para as empresas também (entendendo a cultura da empresa como fortemente influenciado pelos valores dos agentes intelectuais e de poder dominantes), a impressão que dá é que discutir criação de conhecimento sob o enfoque humano, colocando no jogo fatores ligados a relacionamentos, fatores psicológicos e culturais, em muitos ambientes existentes é um desafio e tanto.

Muitas empresas precisam passar por mudanças significativas em todos os níveis hierárquicos, de poder, ou seja lá qual for a forma como ela se encontra distribuída, para pensar em tornar-se uma empresa intensiva em conhecimento.

Uma empresa intensiva em conhecimento não necessariamente é uma empresa que trabalha com informação. Por exemplo, uma fábrica de software pode ser muito bem sucedida, vendendo seus produtos desenvolvidos por cérebros que traduzem processos físicos para a linguagem do software, e não ser uma empresa intensiva em conhecimento. Por que?

Simplesmente a fábrica de software pode estar apenas traduzindo coisas existentes para uma nova formatação e isso não é CRIAR conhecimento.

Legal, utilizamos o termo "fábrica de software". Mesmo sendo uma empresa que trabalha informação pode ter um esquema muito parecido com as fábricas da primeira metade do século XX, onde a maioria das pessoas convertia matérias-primas em produtos acabados e o "cérebro" não era necessário. Muitas vezes atrapalhava, segundo algumas teorias Fordistas.

Não é simples falar e encontrar empresas intensivas em conhecimento, criadoras de conhecimento, que façam do conhecimento a sua vantagem competitiva sustentável por longos anos.

Por enquanto o que podemos afirmar é que as empresas que focam nas pessoas e acreditam que são os atores principais para a criação de conhecimento, estas sim, podem perpetuar uma determinada vantagem em relação as outras.

(Continua...)

-- FabioCamara - 05 Sep 2003


Texaco


Pérolas de sabedoria


29/11/2001


http://www.informationweek.com.br/shared/print_story.asp?id=18016


Empresas tornam efetiva a prática de gestão do conhecimento, que permite transformar a troca de experiências em redução de custos e mais produtividdade

Há cerca de um ano, a Texaco americana reuniu os líderes de vários grupos de trabalhadores informais dentro da empresa. A finalidade era descobrir um meio de aproveitar o potencial de um banco de dados que freqüentemente não consegue ser acessado por nenhum software – o cérebro humano. A Convenção para o Aprendizado de Lições, da Texaco, teve suas raízes em uma "expedição do pensamento", que a companhia de petróleo organizou em meados de setembro de 1998, quando reuniu executivos interessados em aprender como fazer com que as pessoas compartilhem suas experiências de trabalho, tanto as boas como as más, assim como dicas e contatos externos, com outros membros da empresa.

Os participantes foram ensinados sobre como reconhecer as pequenas panelinhas que freqüentemente se formam em torno de um interesse relacionado ao trabalho, a identificar o líder e a dar apoio a essas comunicações informais. Embora algumas companhias possam ver esses grupinhos de pessoas como um meio de promover a fofoca inútil, a Texaco reconheceu esses grupos como uma fonte de informações que ela não conseguiria obter em uma planilha do Excel ou um documento do Word: o conhecimento que os funcionários reúnem por meio de experiências no trabalho e armazenam em suas cabeças.

Na reunião realizada em Houston, os líderes desses grupos informais – geólogos, especialistas em extração de petróleo e outros experts – ouviram esses profissionais explicar a dinâmica por trás das redes humanas e como elas podem ajudar uma empresa a se tornar mais competitiva pelo amplo compartilhamento de seu conhecimento. Esse foi o primeiro passo para conseguir com que os funcionários ficassem empolgados em fornecer informações para a companhia, em grande escala, e permitir que a Texaco implementasse tecnologia para transformar todo esse conhecimento em algo mais bem gerenciado.

-- GregorioIvanoff - 09 Sep 2004


Aprendizado e crescimento: expedições, expedição do pensamento, empresas em conhecimento, construção de confiança, epistemologia nietszcheana, Siemens


Palavras-chave: educação distribuída, conhecimento, economia do conhecimento, consistência na orientação epistemológica, ações, agente de conhecimento, aprendizagem, árvores de conhecimentos, ativos intangíveis, atratores, capital intelectual, disciplinaridade, educação corporativa, fator humano, identidades virtuais, mapas mentais, mudança, objetos, organização, pessoas, práticas, produção de conhecimento, produção do conhecimento, psicologia, relação homem trabalho, orientações de valor, resultados, retenção do conhecimento, sequência, serendipidade, singularidade, sistemas de conhecimento, software, tecnologia, trabalho, transformação, valor, desafios da socialização


Keywords: open virtual learning, value based management, the knowledge level, digital workplace, learning complexity, social business, knowledge management, sourcing, knowledge, The Open University, PROBST, NONAKA, TAKEUCHI, VON KROGH, ICHIJO e NONAKA, SEAGAL, KMPro, Twitter


Resultados: GetGC, PUC-SP MBIS, SBGC, PUC SP, Tecnologias que educam, Fundação Vanzolini, eLabSoft, Cidade do Conhecimento, CBN Mundo Corporativo


Agent-Mediated Knowledge Management. Disponível em < http://www.dfki.uni-kl.de/~elst/AMKM/index.html >.

Austria's Competence Center for Knowledge Management. Disponível em < http://en.know-center.at/ >.

Entovation. Disponível em < http://www.entovation.com >.

Global Knowledge Leadership Map. Disponível em < http://www.entovation.com/kleadmap/index.htm >.

Herwig Rollett. Disponível em < http://www2.iicm.edu/herwig >.

KM Group. Disponível em < http://groups.yahoo.com/group/kmgroup >.

Knowledge Management Bibliography. Disponível em < http://www2.iicm.edu/herwig/kmbib.html >.

Linha do tempo da Gestão do Conhecimento (Timeline Knowledge Management). Disponível em < http://www.entovation.com/timeline/timeline.htm >.

MAGGI, B. Do agir organizacional: Um ponto de vista sobre o trabalho, o bem-estar, a aprendizagem, São Paulo: Editora Edgard Blücher, 2006.

One Nation Under Wal-Mart. Fortune. Available from < http://www.fortune.com/fortune/mostadmired/articles/0,15114,423053,00.html >.

PRICHARD, Craig, HULL, Richard, CHUMER, Mike and WILLMOTT, Hugh. Managing Knowledge: Critical Investigations of Work and Learning. MacMillan, 2002

SELNER, Claudiomir. Método para análise de sistemas de conhecimento, inspirado no princípio da complementaridade de Niels Bohr. Doutorado: Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Área: Gestão de Negócios. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC. Disponível em < http://teses.eps.ufsc.br/Resumo.asp?6576 >.

SELNER, Claudiomir. Análise de requisitos para sistemas de informações, utilizando as ferramentas da qualidade e processos de software. Mestrado: Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Área: Gestão da Qualidade e Produtividade. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC. Disponível em < http://teses.eps.ufsc.br/Resumo.asp?755 >.

SILVA, Alexandre Campos, Gestão de Conhecimento: linguagem, forma e impacto na comunicação em redes de informação. Doutorado: Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica, Área: Signo e Significação das Mídias, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC SP. Disponível em < http://sapientia.pucsp.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1790 >.

SVEIBY, K. A Nova Riqueza das Organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1998

Tecnologia da Informação aplicada à Gestão de Conhecimento. Disponível em < http://www.comartevirtual.com.br/colecao_fumec/tecno_da_informacao/sinopse_01.htm >. http://www.contentdigital.com.br

TERRA, J.C. Gestão do Conhecimento. São Paulo: Negócio Editora, 2000

TERRA, J.C. Gestão do Conhecimento: Aspectos Conceituais e Estudo Exploratório Sobre as Práticas de Empresas Brasileiras. Tese de Doutorado USP. Disponível em < http://www.terraforum.com.br >.

Wikipedia:Knowledge_management


http://www.google.com.br/trends?q=%22gest%C3%A3o+do+conhecimento%22


http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&source=hp&q=%22gest%C3%A3o+do+conhecimento%22&btnG=Pesquisa+Google&meta=&aq=f&oq=


Number of topics: 105


Ágora

Number of topics: 53


Express

Number of topics: 27


Persona

Number of topics: 14


Pipl

http://pipl.com/directory/tags/Knowledge%20Management

http://pipl.com/directory/tags/Conhecimento

-- GregorioIvanoff - 12 Sep 2009
to top


You are here: Ilanet > Cultura > GestaoDoConhecimento

to top

Direitos de cópia © 1999-2017 pelos autores que contribuem. Todo material dessa plataforma de colaboração é propriedade dos autores que contribuem.
Ideias, solicitações, problemas relacionados a Ilanet? Dê sua opinião
Copyright © 1999-2017 by the contributing authors. All material on this collaboration platform is the property of the contributing authors.
Ideas, requests, problems regarding Ilanet? Send feedback