Skip to topic | Skip to bottom
Home
Ilanet
Working on page risks in linkages



  • Página sem formatação (Page without formatting)?
  • Clique (Click) em Visualizar impressão (Print Preview).




Express Persona
Ilanet Ágora
Main Blog

Endow Dotar

  • Linux Powered

  • Download Mozilla Firefox Browser

  • Use OpenOffice.org

Ilanet.AtivosDeRiscor1.4 - 28 Sep 2016 - 16:01 - GregorioIvanoff

Start of topic | Skip to actions

ILAnet


[21 nov. 2011] A crise atual não é nem de longe a pior desde que começou a operar com ações há 53 anos, mas exigirá mudanças estratégicas para que a Magliano Corretora sobreviva ao que muitos preveem como o processo de consolidação nunca antes visto no setor.


A crise da dívida soberana da zona do euro, o colapso fiscal dos Estados Unidos e a desaceleração nos países desenvolvidos afugentaram os investidores de ativos de maior risco, como as ações, derrubando o volume negociado na bolsa e a receita com a intermediação de papéis, o que deverá acelerar o desaparecimento de corretoras de valores no Brasil, muitas das quais por meio de fusões e aquisições. "O ano de 2012 será um marco no mercado de corretagem no Brasil: será o ano da consolidação", afirma o CEO da corretora Icap Brasil.Ao final desse processo de consolidação, que já começou, restarão apenas cerca de 30 corretoras de 123 que operam ativamente no mercado hoje, sendo 78 delas nos segmentos BM&F (contratos futuros e derivativos) e Bovespa (renda variável e renda fixa), 11 apenas na BM&F e 34 apenas na Bovespa.

A bolsa brasileira acumula queda de 18,78% neste ano até o fechamento de sexta-feira, depois de ter subido apenas 1,05% em 2010. Comparado com o pico do índice Bovespa, de 73.516,8 pontos, atingido em maio de 2008 - pouco antes do colapso do Lehman Brothers -, a perda das ações brasileiras é de quase 24%. Nesse ambiente desanimador para os preços das ações, o volume negociado apenas no segmento de renda variável da BM&FBovespa caiu mais de 26% em setembro, para R$ 131,4 bilhões, ante o mês anterior e 6,8% comparado com igual mês de 2010.

O "boom de 1971", as bolsas do Rio e de São Paulo dispararam com as medidas para incentivar a aplicação em ações.Várias corretoras tiveram de fechar as portas, os prejuízos foram grandes.

Outro tempo difícil, foi o confisco da poupança no governo Collor, na década de 90, quando o impacto no mercado acionário forçou as corretora a reduzirem o número de empregados.

Com a perspectiva agora nada animadora de valorização das ações, num ambiente de desaceleração econômica e de queda nos lucros das empresas, fica mais difícil convencer novos investidores. A BM&FBovespa já adiou para 2018 a meta de atrair 5 milhões de investidores pessoa física entre 2010 e 2015. Hoje, há 593.311 investidores pessoa física registrados na bolsa. Mas esse número vem caindo, pois ao final de 2010 o total de investidores individuais era de 610.915.

Consolidação. Três perfis de corretoras deverão continuar com as portas abertas ao final do processo de consolidação: as ligadas a bancos ou grandes instituições financeiras; as com suporte tecnológico e de capilaridade de um grupo estrangeiro, como é o caso da Icap; e as tradicionais locais, com base ampla de clientes.

No segmento Bovespa, por exemplo, as 30 maiores corretoras têm 88,7% do volume negociado, enquanto no segmento BM&F, de contratos futuros e de derivativos, as 20 maiores têm quase 92% do mercado. A aposta de analistas é que as corretoras ligadas a bancos e a grupos estrangeiros atuarão como "full broker", ou seja, oferecerão os serviços completos de uma corretora de valores. Já as independentes terão de se especializar em um nicho de mercado e não mais concorrer com o leque completo de serviços. "A consolidação é irreversível e saudável para o mercado" "A crise financeira já está fazendo com que isso aconteça."

O número excessivo de corretoras no mercado acionário ainda é reflexo do período em que a Bovespa e a BM&F foram transformadas em sociedades anônimas, num processo chamado de "desmutualização" resultando em enorme capitalização das corretoras que detinham títulos patrimoniais, ou cartas-patentes que lhes davam o direito de negociar nas bolsas. Depois do anúncio de abertura de capital, os títulos patrimoniais da Bovespa, por exemplo, chegaram a ser negociados em 2007 a um valor sete vezes maior que o valor de face.


Palavras-chave: pequenas e médias empresas, concessão de crédito, valor da organização, ativos intangíveis, ativos


http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=%22ativos+de+risco%22+%22pequenas+e+m%C3%A9dias+empresas%22&btnG=Pesquisar


http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=%22ativos+de+risco%22&btnG=Pesquisar


Number of topics: 10


Express

Number of topics: 3


Ágora

Number of topics: 0


Persona

Number of topics: 1


Pipl

http://pipl.com/directory/tags/Risco

-- GregorioIvanoff - 19 Sep 2009
to top


Direitos de cópia © 1999-2019 pelos autores que contribuem. Todo material dessa plataforma de colaboração é propriedade dos autores que contribuem.
Ideias, solicitações, problemas relacionados a Ilanet? Dê sua opinião
Copyright © 1999-2019 by the contributing authors. All material on this collaboration platform is the property of the contributing authors.
Ideas, requests, problems regarding Ilanet? Send feedback